Arquitetura & Decoração

escritórios

Design de interiores com conceito sustentável

Projeto de brechó utiliza-se do consumo consciente tanto no formato do negócio, quanto na concepção dos espaços

Em julho o planeta atingiu o limite de produção natural para atender as demandas deste ano. Ou seja, os recursos naturais explorados a partir de agora, já estão roubando o estoque de 2020. Ações que visam poupar o meio ambiente podem ser realizadas nas mais diversas esferas da sociedade e, com atitudes pequenas, pode-se retardar um colapso global. Neste sentido, o projeto realizado pelo escritório Ana Johns Arquitetura é sustentável em dois aspectos: primeiro por se tratar de um brechó – formato de negócio que incentiva o consumo consciente; segundo por apresentar diversas soluções na criação dos ambientes que dispensaram a aquisição de novas peças e deram uma sobrevida para itens já existentes.

O conceito idealizado pelas clientes para a loja era de ser um ambiente que trouxesse a “pegada” sustentável que o brechó representa, mas que também fosse um espaço onde as compradoras pudessem se sentir confortáveis para passar seu tempo ali. Este briefing, aliado ao orçamento enxuto, fez com que a arquiteta Ana Johns optasse por soluções criativas e reutilização de móveis já existentes para compor o projeto. “Grande parte do mobiliário já existia e as clientes falaram desde o início que gostariam que tais itens fossem usados. Ao longo da obra, adquirimos outras peças, após a definição do layout e do estilo que buscávamos para o projeto. Para criar uma composição harmônica, utilizamos elementos mais modernos e neutros, que complementam a decoração e criam esta conexão entre as peças antigas e as novas”, revela Ana.

Mesas, guarda-roupa, estantes, poltronas e objetos de decoração antigos se misturam às araras e expositores novos em uma composição que traz a ideia de vintage. Além disso, peças como malas e uma máquina de costura antiga ganharam a função de prateleiras e mesa, respectivamente, no cantinho do café. “Conseguimos fazer uma composição com os elementos que tínhamos para trabalhar: o pé da máquina, as malas e os quadrinhos, de forma que, mesmo sendo uma combinação de elementos que a princípio não tinham nenhuma relação, trouxe um ar de aconchego, além de ficar bem original!”, comenta a arquiteta.

Outro destaque é a vitrine da loja, onde foram utilizados cabides para criar nichos para expor os produtos. “A inspiração veio do Pinterest, vendo imagens de vitrines diferentes. A referência encontrada combinou não só com o conceito da loja, mas também minimizou a sensação de falta de espaço e pouca visibilidade que tínhamos da vitrine”, complementa. No geral, revestimentos do piso e papel de parede foram trocados, além da pintura ser refeita. A iluminação também ganhou cara nova, com a utilização de trilhos que trouxeram mais luz, com o intuito de valorizar as peças. “As clientes economizaram em tudo o que foi possível, inclusive na mão de obra. Elas colocaram a mão na massa e mostraram que não é preciso de excessos para montar seu próprio negócio. Também é papel do arquiteto adequar o projeto à realidade dos clientes, apresentando soluções criativas e mais sustentáveis com um resultado tão bom quanto o de um espaço com tudo novo”, finaliza.

Sobre Ana Johns Arquitetura:

Ana Johns é arquiteta e urbanista formada pela Universidade Positivo e mestre em Sustentabilidade e Arquitetura Nórdica pela Universidade de Aalborg, na Dinamarca. Com experiência no ramo desde 2008, a profissional já desenvolveu trabalhos internacionais – no escritório Carvalho Araújo, em Portugal – além de atuar em diversos escritórios renomados em Curitiba, como o Maganhoto e Casagrande onde exerceu a função de gerente de projetos na área de arquitetura de interiores. Com essa visão diferenciada e ampliada da arquitetura, no início de 2016 fundou o escritório Ana Johns Arquitetura, com o objetivo de desenvolver de forma consciente projetos em todas as escalas.

Serviço:

Ana Johns Arquitetura

Rua João Kososki, 357, Ecoville, Curitiba – PR

www.anajohnsarquitetura.com.br

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Ambiente na CASACOR Balneário Camboriú apostou no Google Home como destaque do projeto

Imagine chegar em casa e com um simples comando de voz abrir suas cortinas, acender a luz e até mesmo ligar a lareira. Ou melhor, fazer isso sem nem ter chegado em casa ainda, dando comandos para encher a banheira e aquecer a água e o piso! Parece coisa de filme de ficção científica, mas esta tecnologia já é realidade e possível graças a programas como o Google Home. Em Santa Catarina o sistema está em exibição no ambiente assinado pelas Designers Josy Melo e Hevelin Buss, o Home Office Recanto Particular K-9, na CASACOR Balneário Camboriú. Com 18,20 m², o espaço é todo automatizado por comando de voz, desde o acionamento das luzes, passando pela abertura das cortinas e acendimento da lareira, além do som ambiente. Tudo foi fornecido pela InBuild Automação, de Balneário Camboriú.

A aposta das Designers foi pelo uso do Google Mini Home, um assistente de voz que torna os projetos de automação residencial mais inteligentes e divertidos. Popular nos Estados Unidos estima-se que desde outubro de 2017, a empresa tenho vendido mais de 10 milhões de unidades por lá. No Brasil a tecnologia vem ganhando espaço, principalmente porque desde o ano passado os alto-falantes Google Home e Home Mini passaram a considerar o nosso idioma nos comandos, incluindo perguntas e rotinas para realizar uma sequência de tarefas.

Para Josy e Hevelin a ideia era conectar o morador ao seu espaço, usando a tecnologia a seu favor. “Queríamos aliar o conforto que o projeto pedia as novidades tecnológicas e o Google por comando de voz é o que há de mais novo no mercado, perfeito para o nosso ambiente”, disse Josy. A Designer explica que o acionamento pode ser feito presencialmente, pelo interruptor fixado na parede, ou remotamente, através de um App via mobile, com comandos à distância. O gadget Google Mini Home recebe comandos como acender as luzes e a lareira, ligar os desligar a TV, tocar música, abrir ou fechar cortinas, acionar a lareira, entre outros comandos. É possível inclusive agendar reuniões e outros compromissos, que o programa te acorda na hora marcada, como um despertador.

“Tudo que for possível pesquisar no Google você pode perguntar ao gadget. Ele passa informações como distância, clima, dúvidas, enfim, uma infinidade de possibilidades”, disse Hevelin Buss.

A grande vantagem do Google Home está no reconhecimento de voz individual. Os microfones multi direcionais diferenciam usuários, possibilitando cadastramentos e interação personalizada no mesmo ambiente. Outra funcionalidade recém lançada pelo sistema é a opção de ligar para os contatos da agenda, por meio do wi-fi, mas que por enquanto só está disponível nos EUA, Canadá e Reino Unido.

Quem deseja desfrutar da tecnologia no país pode adquirir pela internet. Embora não seja fabricado no Brasil é fácil encontrá-lo nos sites de e-commerce, tanto o aparelho do Google, quanto os dispositivos de automação que integram nele. Considere também os custos com a automação em si. A boa notícia é que o mercado avança rapidamente e as empresas especializadas possuem projetos para todos os tipos de ambientes, residenciais e comerciais, com valores variados.

Para usufruir desta tecnologia o consumidor deve primeiro adquirir um sistema de automação compatível com o Google Home para que estes itens sejam integrados a esta interface de comando que é o programa. Segundo Luiz da Silva Júnior, Engenheiro de Automação e proprietário da Inbuild, o Google Home veio para substituir a automação por toque, como iPads e teclados de comando, e com o comando de voz ganha-se um novo acesso a esta tecnologia. “O próprio microfone deve estar integrado ao sistema de automação, para que os comandos sejam obedecidos”, explica Luiz.

O fato inegável é que está tecnologia veio para ficar e os assistentes por comando de voz são o futuro da automação, inclusive saindo das residências e ganhando os automóveis. Empresas como Ford, BMW, Mercedes Benz e General Motors já possuem sistemas de reconhecimento de voz em seus carros, que entendem diversos comandos.

 

Home Office Recanto Particular K-9

 

Na mostra, que segue até dia 18 de agosto as designers Josy Melo e Hevelin Buss homenageiam o jogador de futebol Keirrison, conhecido como K-9, que já atuou em clubes como Santos, Palmeiras, Benfica e Barcelona.

Entre os destaques do projeto estão a tecnologia e a sustentabilidade, que vão ao encontro da proposta na mostra deste ano. O home office apresenta som e imagens, cortina automatizada, lareira à álcool automatizada, além de iluminação em duas cenas, uma para o trabalho e outra para o descanso, se assim desejar. Entre as tendências utilizadas no projeto destaque para o dourado, muito utilizado no Salão Internacional do Móvel de Milão.

Josy e Hevelin descrevem o ambiente como um cômodo da casa, e não apenas a extensão do trabalho. “O Recanto Particular K9 passa longe da agitação e do cotidiano, mas tem uma atmosfera perfeita, onde a interação com a natureza fica em evidência. Com decoração requintada, oferece uma experiência única e garante que cada instante se torne inesquecível para aproveitar ao máximo o aqui e o agora, com detalhes preparados para exaltar o aconchego sem perder nenhum toque de sofisticação”, finaliza Josy.

Foto das designers: Raquel Lima (Hevelin Buss e Josy Melo)

Foto ambiente: Lio Simas

Foto: Divulgação

001: O Gadget Google Mini Home é pequeno e cabe na palma da mão, podendo ser camuflado no ambiente.

O ex-jogador de futebol André Santos esteve na tarde desta quinta-feira visitando o ambiente Suíte Master, na CASACOR Florianópolis. Projetado pelos Arquitetos Leandro Sumar e Fábio Vitorino o espaço é uma homenagem a Top internacional Carol Trentini e une bom gosto e sofisticação em um projeto que aposta no luxo, integrando dormitório, closet e sala de banho.

André já atuou pelo Corinthians, que o levou a seleção brasileira e em clubes como Flamengo, Grêmio, Botafogo – RJ, Fenerbahce, da Turquia e Arsenal, da Inglaterra.

Recentemente o ex-jogador adquiriu uma cobertura em São José e assim nasceu a relação com os Arquitetos Sumar + Vitorino Arquitetura e Desing, que irão assinar o projeto. André visitou a mostra a convite da dupla, acompanhado da namorada, Francielly Ouriques, natural de Floripa e Miss AsiaPacific Internacional.

Fotos: Alex Ferrer

001: André Santos e a namorada Francielly Ouriques, na Suíte Master da CASACOR SC

002: Fábio Vitorino, André Santos, Francielly Ouriques e Leandro Sumar

 

Com reaproveitamento de tecido e biodegradável, as bolsas ajudam o meio ambiente e têm lucro revertido para causa social

Composta por tecidos reutilizados e cera de abelha, a bolsa Beezip foi a alternativa que alunos do segundo ano do Ensino Médio do Colégio Positivo, em Curitiba, encontraram para um grande problema ambiental: o descarte da indústria da moda. De acordo com um relatório lançado pela Ellen MacArthur Foundation, com o apoio da estilista Stella McCartney, a cada segundo, um caminhão de lixo de produtos têxteis é aterrado ou incinerado no mundo.

Dessa forma, a partir da vontade de substituir o uso do plástico e, ao mesmo tempo, colaborar com o meio ambiente, que um grupo de alunos teve a ideia de criar uma bolsa biodegradável e natural. “Nós pensamos em substituir o ziplock e tentamos a criação de sacolas de tecido a partir da fécula de batata, mas não era uma ideia tão viável. Quando descobrimos a cera de abelha, os dois formatos se uniram e criamos a Beezip, uma substituta do ziplock e que ainda reutiliza o tecido descartado”, explica Pedro de Almeida Silveira, de 16 anos, presidente da Beezip.

A bolsa, disponível em dois tamanhos, é versátil e pode cumprir diversas funções, como nécessaire, porta medicamentos, materiais de higiene, celular, estojo escolar, porta-joias, organizadora para malas e mochilas, entre outros. Além disso, as Beezips são uma opção para eventos e passeios na praia, lagos ou piscinas, já que é impermeável.

O empreendedorismo também envolve o processo de criação e aprendizado do grupo de 24 estudantes. Com presidente, diretores, gestores de marketing, RH e finanças, o gerenciamento e criação das bolsas também são de responsabilidade dos alunos. A produção das bolsas é feita das 18h30 às 21h30, às segundas-feiras, no próprio Colégio. “Todos nós temos diferentes funções, mas na hora da produção não existe hierarquia, todos os envolvidos fazem parte do processo de forma igual. Em um bom dia, produzimos cerca de 80 bolsas”, conta Pedro.

Além de ser uma solução sustentável, o projeto ainda desenvolve um trabalho social, tendo parte da renda revertida para o Lar O Bom Caminho, instituição que acolhe crianças afastadas de suas famílias. O empreendimento faz parte da parceria entre o Colégio Positivo e a Junior Achievement Paraná, organização social que promove o empreendedorismo na juventude.

De acordo com a professora Daniela Tatarin, assessora pedagógica de Formação Humana do Centro de Inovação Pedagógica Positivo (CIPP) do Colégio Positivo, o projeto tem a duração de 15 semanas e é uma atividade extraclasse. “Os produtos só podem ser produzidos na escola e os horários de início e término de jornada também precisam ser seguidos à risca, sob pena de perda de pontos. Ao final, os resultados de todas as escolas e projetos participantes são analisados e as equipes são premiadas pela produção, finanças, marketing e gerenciamento”, explica.

A continuidade do projeto após as 15 semanas fica a critério dos alunos envolvidos, que podem dar seguimento ou não à empresa criada, mas os ganhos de participar da experiência vão além desse período. “O desenvolvimento dos alunos é imenso. Eles ganham em maturidade, organização, visão de mundo, tornam-se mais disciplinados. Nós já tivemos depoimentos emocionantes de alunos que perceberam o impacto do projeto em suas vidas”, conta Daniela.

A empresa já vendeu aproximadamente 190 bolsas. Os modelos estão disponíveis em dois tamanhos: o pequeno, no valor de 15 reais, e o grande, a 25 reais. Para adquirir um dos produtos da Beezip e colaborar com a iniciativa, basta entrar em contato pelas redes sociais (@beezip.sae) ou pelo site https://mebeezip.wixsite.com/organization.


_______________________________________________________________________________________________

Sobre o Colégio Positivo

O Colégio Positivo compreende cinco unidades na cidade de Curitiba, onde nasceu e desenvolveu o modelo de ensino levado a todo o país e ao exterior. O Colégio Positivo Júnior, o Colégio Positivo – Jardim Ambiental, o Colégio Positivo –  Ângelo Sampaio, o Colégio Positivo Hauer e o Colégio Positivo Internacional atendem alunos da Educação Infantil ao Ensino Médio, sempre combinando tecnologia aplicada à educação, material didático atualizado e professores qualificados, com o compromisso de formar cidadãos conscientes e solidários. Os alunos têm à sua disposição atividades complementares esportivas e culturais, incentivo ao empreendedorismo e aulas de Língua Inglesa diferenciadas, além de aprendizado internacional na unidade que leva essa proposta em seu nome. Em 2016, foi incorporada ao Positivo o Colégio Positivo Joinville (SC) e, em 2017, o Positivo – Santa Maria, em Londrina (PR). Em 2018, o Positivo ganhou duas unidades em Ponta Grossa (PR): Colégio Girassol e Positivo Master.

Scroll Up