Revista

Marketeiro? Marketista, Profissional do Marketing?

Você garotão do Marketing já se viu em uma situação em que te perguntam sobre sua profissão, jogando você em um abismo sem resposta certa ou errada, te deixando apenas umas opções genéricas como: “trabalho com comunicação, em agência de propaganda ou sou do Marketing. Você não está sozinho nessa, ao decorrer dos anos o mercado brasileiro desenvolveu um termo que não é bem aceito pela Cúpula de Curadoria do Marketing Nacional Neo Liberal Opressor, o termo Marqueteiro.

Primeiramente o termo “Marketeiro” ou “Marqueteiro” existe?!
Vamos ao dicionário ver o que ele diz:

mar·que·tei·ro

(market[ing] + -eiro)
substantivo masculino

  1. [Informal] Pessoa que trabalha em marketing.
    adjetivo e substantivo masculino
  2. [Informal] Que ou quem usa técnicas de marketing ou de promoção para determinado .objetivo.

Partindo de que o dicionário o reconheça, vamos googlear o termo

 

Wikipedia:
“Marqueteiro (ou marketeiro), segundo os principais dicionários brasileiros (“Aurélio” e “Houaiss”), é “pessoa ou profissional do marketing”. O termo, todavia, é quase sempre utilizado pela imprensa para designar especificamente aqueles profissionais que fazem “marketing político”. Contudo, como a expressão carrega um viés depreciativo, estes preferem ser chamados de “profissionais do marketing político” ou “consultores políticos”.”

 

Resumidamente, segundo a Wikipedia o termo Marketeiro é considerado depreciativo para o profissional do Marketing. Considerando o sulfixo agentivo “EIRO” que deriva do latim “AIRUS”, formador de adjetivos, a palavra está correta, devidamente colocada e ficaria ao lado de Engenheiro, Marceneiro, Pedreiro, Borracheiro, Marinheiro e por aí vai. De igual modo, não podemos esquecer do segundo grupo semântico comum, que também indica ocupação o “ISTA” de Jornalista, Criminalista, Projetista, Neurologista.

 

É inegável que existe uma forte oposição entre os dois conjuntos de palavras. De certo modo este fato se enquadra no discurso de Miranda (1979); a autora afirma que, em nossa cultura, as atividades consideradas de maior prestígio social seriam designadas pelos agentivos –ista, ao passo que as ocupações menos favorecidas pelo prestígio sócio-cultural, ou até mesmo marginalizadas seriam designadas pelos agentivos –eiro.

 

Nas palavras da autora (1979: 87): “Em termos mais absolutos, as regras x-ista e x-eiro resultariam, pois, como definidoras de status. Tudo isto resultaria do traço de formalidade que marca apenas um dos sufixos”.

 

Ta bom, ta bom, ta complicado… Considerando o grau de intelectualidade, e/ou status social o certo é ser Marketista? Humm… Não soa legal, eu nunca ouvi isso, e nem vou me dirigir como Marketista.

 

Talvez eu consiga uma luz de outra língua, já que o Marketing foi importado do Inglês para o PT-BR, porque não tentar importar o termo profissional do Marketing de lá também? Na lingua inglesa o Profissional do Marketing é conhecido como Marketer sendo então traduzido para Mercadólogo aqui no Brasil.

Ser Mercadólogo é antes de tudo fornecer as empresas todas as informações sobre seu consumidor, o que ele faz, como ele se comporta, o que ele gosta, onde eles está e quais são suas necessidades, afinal é ele quem compra seu produto ou serviço, em outras palavras, é a jóia de qualquer empresa.

 

Portanto independente do termo, fazer Marketing vai muito além de ser criativo, é estar ligado ao que acontece, é ser imparcial, analítico, ético e estar preparado para aproveitar as oportunidades que o mercado oferece. Tanto faz  “Marketeiro” ou “Mercadologo” o importante é reconhecer o profissional que gera negócios e que ainda detém a responsabilidade de entender um pouco de cada setor ou processo da empresa.

 

Ficha técnica
Texto: Will Pundrich 
Arte e publicação: Raquel Lima

ÚLTIMAS COLUNAS

Scroll Up