Arquitetura & Decoração

escritórios

RICHARD GINORI…encantando nobres desde 1735.

Que sensação gostosa esta, voltar no tempo e relembrar uma fase linda da minha vida, fase de descobertas, de encantamento,  de vivências incríveis. Estou falando exatamente do final dos anos oitenta, ou seja, a época em que vivi na Itália, mais precisamente na cidade de Firenze, onde cheguei aos dezessete anos de idade.

Eu havia terminado a fase pré-vestibular em Curitiba, e inquieta como sempre fui, embarquei para a Europa para estudar Moda na Toscana, terra de marcas como Gucci e Salvatore Ferragamo.

Alguns meses após a minha chegada a Firenze, recebi um convite muito especial e carinhoso de amigos que me queriam muito bem, e que justamente por eu estar estudando moda na época,

queriam me proporcionar uma experiência única: uma festa na incrível villa da família FERRAGAMO!

A festa, na residência dos FERRAGAMO (situada nas colinas de Fiesole, arredores de Firenze), comemoraria os 18 anos dos gêmeos James e Salvatore Ferragamo, que hoje tocam a holding

desta marca elegantíssima de acabamento impecável, que começou com sapatos e bolsas, mas hoje em dia está em todos os cantos do planeta, com roupas, acessórios e em Firenze também conta com uma rede de hotéis muito especiais, a LUNGARNO COLLECTION.

Lembro-me nitidamente do meu total encantamento ao chegar naquela festa, e ao final de uma subida iluminada por tocheiros, lá estava aquela autêntica villa italiana, decorada lindamente com mobiliário clássico e lindas obras de arte, contrapondo com uma festa moderna, aos moldes dos jovens da época, mas tudo muito especial e de bom gosto, meus olhos cintilavam com tamanha elegância nos detalhes, e o foco, que seriam os vestidos maravilhosos, acabou ficando em segundo plano, pois foi ali, naquele instante, que percebi que o que realmente me faria feliz, seria trabalhar com decoração, para ter a oportunidade de “zelar” pelos detalhes que tornam uma residência além de chique, muito aconchegante…aquela casa imensa e elegante, era sim acolhedora.

A partir da minha chegada a festa, meus olhos não paravam, sempre atentos a tudo e a todos… Foi então, que passeando pelos ambientes que estavam abertos a festa, me deparei com uma área onde haviam várias mesas postas de forma finíssima, o design floral era incrível, mas as louças usadas eram simplesmente deslumbrantes.

Discretamente olhei no verso de uma das peças e li: RICHARD GINORI 1735.

Foi amor à primeira vista… As mesas eram postas com a linha GALLI ROSSI, e as flores variavam lindamente entre o laranja e o vermelho, numa profusão de cores incríveis. Me apaixonei!

Após a festa, numa época onde ainda não existia internet, fui me informando e cheguei a RICHARD GINORI, esta marca que teve início em 1735, em Doccia, hoje Sesto Fiorentino.

Só a título de curiosidade, a Europa teve seu primeiro contato com a porcelana chinesa no final do século XIII, quando Marco Polo retornou de suas viagens à China e Oriente Médio. Foi nesta época que os reis e aristocratas começaram a usar pratos e utensílios de porcelana para fazerem suas refeições, e por este motivo, desde o início, a porcelana simboliza nobreza.

Mas, no século XVI, os portugueses e ingleses começaram a comercializar a porcelana na Europa, e a partir daí, todos queriam descobrir como se produzia este material.

Apesar dos ingleses chamarem o material de “China”, os italianos batizaram de “PORCELLANA”, por acharem suas características muito parecidas com uma concha chamada “porcella”, e com isso o nome passou a ser utilizado pela maioria das línguas latinas.

Desde então, a porcelana passou a ser conhecida como “White Gold” (ouro branco), e sua produção passou a ser sinônimo de excelência territorial, e assim os reis da Europa passaram a disputar a produção de porcelana como símbolo de status e poder.

A primeira fórmula europeia foi dos alemães (MEISSEN 1710), depois os austríacos (DU PAQUIER 1719), e então, em 1735, nasce a MANUFATURA GINORI, levando o nome do Marquês
CARLO ANDREA GINORI, que tinha uma mente empresarial genial, além de ter um passatempo cientista.

A GINORI foi estabelecida na propriedade rural do Marquês Carlo Ginori, e foi a única fábrica europeia que não foi fundada por um rei. Um orgulho para os italianos, pois tornou-se uma das marcas mais famosas do mundo.

Em 1737, o Marquês Ginori visitou a Manufatura Du Paquier e conseguiu contratar os serviços de um renomado pintor de porcelana da época. Com isso, iniciou-se na GINORI a técnica de pintura a mão, que até os dias de hoje é a excelência do trabalho da Ginori.

A partir do século XVIII, “vestir a mesa” tornou-se forma de distinção social, e com isso as pessoas e cortes europeias passaram a prestar especial atenção a isso.

Com a contratação do pintor de porcelana vindo de Viena, a Ginori passou a produzir peças que com suas decorações complementavam o mobiliário e tornou viável inúmeras maneiras de “vestir a mesa” com elegância.

Neste período, as decorações nas louças atingem seu nível máximo, nascem algumas das formas e desenhos mais conhecidos da Richard Ginori.

As primeiras decorações exibem uma forte influência oriental, como por exemplo os galos em Rouge du Fer (GALLI ROSSI), e novos temas vão surgindo, como cenas de paisagem

(PAESAGGIO), frutas e flores (PRIMAVERA e ITALIAN FRUIT), que pintados sobre os formatos “Vecchio Ginori” e o “Antico Doccia”,

se estabelecem até os dias de hoje como ícones da marca.

A marca seguiu atravessando os séculos atendendo aos estilos estabelecidos, passando também lindamente pelo ART NOUVEAU.

Em 1896, a Ginori se uniu a outra manufatura italiana, a Richard (do piemontês de origem suíça GIULIO RICHARD), formando assim a RICHARD GINORI.

Em 1923, a RICHARD GINORI contrata GIO PONTI como diretor artístico, um sopro de vigor e juventude na marca, introduzindo novas técnicas e elementos altamente inovadores, mas respeitando os conceitos chaves da manufatura, fez um mix do clássico com o ART DECO, que surgia naquele momento.

Já nos anos 50, a RICHARD GINORI introduziu desenhos mais limpos e louças de empilhamento, sempre equilibrando a tradição com a modernidade e a inovação.

Contratou diversos designers e fizeram algumas parcerias, como a parceria com a MISSONI (vasos e serviços de mesa) com direção de Paola Navone.

Em 2013, após inúmeros problemas financeiros e de gestão, a RICHARD GINORI foi adquirida pela GUCCI, e passou a ter sua direção artística assinada por Alessandro Michele, o mesmo diretor criativo da marca de moda. Já é da época de Alessandro a releitura da “Oriente Italiano”, com introdução de novas cores, utilizando o clássico desenho criado por GIO PONTI, porém com cores contemporâneas.

Também é de Alessandro Michele a criação da nova coleção BABELE, que buscou na história da Ginori, as inúmeras decorações e formatos utilizados nesta coleção.
Atualmente a manufatura RICHARD GINORI é a segunda mais antiga da Europa, atrás somente da primeira em absoluto, a MEISSEN (1710). E segue cada vez melhor…ano após ano…

Meus clientes certamente agradecem 

ÚLTIMAS COLUNAS

Em pleno domingo, enquanto relaxo e descanso a mente da correria do dia a dia, me dei conta que queria já há algum tempo postar sobre um hotel que adorei!

Scroll Up